Praça de São Marcos

A Piazza San Marco, ou Praça de São Marcos, é uma das mais importantes praças italianas e é conhecida mundialmente pela sua beleza e integridade arquitetónica. O coração da cidade, lagoa e Estado de Veneza, consiste em cinco áreas:

-A Praça: área delimitada entre a Procuratie Vecchie, Procuratie Nuove, a histórica Basílica de São Marcos e a Torre do Sino;

-La Piazzetta San Marco: situa-se entre o Palácio do Doge e a Biblioteca Marciana, e é o acesso monumental para quem vem do mar através das duas famosas colunas frente à baía de São Marcos;

-A Piazzetta dei Leoncini: localizada ao lado da igreja, assim chamada devido às duas estátuas de leões;

-A Basílica: A Basílica de São Marcos é um monumento que se tornou único pela riqueza da sua história e pela magnificência da sua fachada e interior. Para compreender o papel da Basílica através dos séculos, toda a extensão do conteúdo artístico, iconográfico e religioso, combinado com a riqueza e variedade de influências históricas, estão aqui exaustivamente apresentados, dentro de uma gama de áreas temáticas pesquisáveis;

-O Campanile: imponente torre de plano quadrangular com cerca de 99 metros de altura, coroada por um pináculo que em tempos foi um farol para a navegação. Foi construída inicialmente no século XII e, em seguida, reconstruída na sua forma atual no início do século XVI, com a adição de uma estátua do Arcanjo Gabriel.

Fontes do texto: www.basilicasanmarco.it
Fontes Fotográficas: Harshlight, Kieran Lyan.

Ponte de Rialto

A Ponte de Rialto é uma das quatro pontes sobre o Grande Canal de Veneza, e é a mais antiga ponte sobre o canal.

A primeira travessia a seco do Grande Canal foi um pontão flutuante construído em 1181, chamado Ponte della Moneta, devido à oficina de moeda que foi construída perto da ponte.

A atual ponte de pedra, projetada por Antonio da Ponte, foi concluída em 1591.
A engenharia da ponte foi considerado demasiado audaciosa, mas a ponte desafiou os seus críticos e acabou por se tornar um dos ícones arquitetónicos de Veneza.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Thad Roan, Ilamnudds, Richard eml.

Ca D’Oro

O Ca’D’Oro é um palácio no Grande Canal, que sempre foi conhecido como Ca’D’Oro, devido à talha dourada e às decorações externas polícromas que adornavam as paredes.

No piso térreo, uma “loggia” com colunas em recesso dá acesso ao átrio de entrada (portego de mezzo) diretamente a partir do canal; acima desta colunata há a varanda esconsa do principal salão do “piano nobile”.

Este exterior que parece um bolo de casamento não dá nenhuma indicação de que o palácio foi, na verdade, construído em redor de um pequeno pátio interior.

Em 1922, o palácio foi doado ao Estado pelo seu último proprietário e salvador, Barão Giorgio Franchetti, que o tinha adquirido em 1894. Após um extenso restauro, incluindo a reconstrução da escadaria, está agora aberto ao público como galeria.

Fontes do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Tracy Elaine, Dalbera.

Musei Civici Veneziani

A Fundação foi criada por resolução do Conselho da Cidade de Veneza, em 3 de março de 2008, para gerir e promover o imenso património cultural e artístico dos Musei Civici di Venezia.
A Fundação administra e promove um rico sistema de Museus, articulado e complexo.

Palazzo Ducale
Um dos símbolos de Veneza, está situado na zona monumental da Praça de São Marcos.

Museo Correr
É um museu de arte localizado no sestriere de San Marco. O acervo do Museu está alojado na ala napoleónica.

A Torre do Relógio
É um edifício renascentista localizado na Praça de São Marcos. O edifício é composto por uma torre central, construída entre 1496 e 1499 por Codussi, e duas alas laterais.

Ca’Rezzonico
É um dos palácios mais famosos de Veneza. Atualmente é sede do Museu da “Veneza do Século XVII”.

Palazzo Mocenigo
Já existente no no século XVI, é hoje usado como um Centro para o estudo da história da Indústria Têxtil e do Traje.

Casa de Carlo Goldoni
Casa do famoso dramaturgo, alberga um pequeno “Museu Goldoniano”, além do famoso boneco de Ca’Grimani ai Servi.

Ca’Pesaro
Com vista para o Grande Canal, é considerado um dos mais belos palácios venezianos. A fachada barroca, decorada com baixos-relevos e estátuas, torna-o único. O Grand Palace é agora lar da “Galleria Internazionale d’Arte Moderna” e do “Museo d’Arte Orientale”.

Palazzo Fortuny
É um palácio veneziano gótico, localizado no sestriere de San Marco, cujo nome é uma homenagem ao seu último proprietário, o artista Mariano Fortuny y Mandrazo. Após a sua morte, a esposa Henriette doou o edifício à cidade de Veneza, que fez dele um local dedicado a lidar com disciplinas de Comunicação Visual.

Museu do Vidro
Fundado em 1861 em Murano. As coleções do Museu, apara além das aquisições, vão sendo aumentadas por doações das fundições da ilha, que vão enriquecendo as secções do museu.

O Museu da Renda
Inaugurado em 1981, está localizado na histórica Escola de Burano. Exibe várias reproduções importantes de renda veneziana.

O Museu de História Natural
Localizado no interior do Fondaco dei Turchi, alberga peças antigas da área veneziana e, especialmente, de Veneza.

Fonte do texto: www.museiciviciveneziani.it
Fontes Fotográficas: MCV Foundation

Gueto Judeu

O Gueto de Veneza foi a área de Veneza em que os judeus foram obrigados a viver sob a República Veneziana.

O gueto, na área do Cannaregio, é dividido em Ghetto Nuovo e o adjacente Ghetto Vecchio.

Quatro das cinco sinagogas foram claramente divididas de acordo com a identidade étnica, e existiam sinagogas separadas para as comunidades alemã, italiana, espanhola, portuguesa e sefardita do Levante. Hoje em dia, ainda estão abertas ao público em geral.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Degreezero, wikipedia.

Bienal de Arquitetura de Veneza

A Bienal de Arquitetura de Veneza (em italiano: Mostra di Architettura di Venezia), a seção de arquitetura da Bienal de Veneza, foi estabelecida em 1980, embora arquitetura tenha sido parte da bienal de artes desde 1968.

Abordando o lado acadêmico da arquitetura, a bienal é também uma ocasião onde nomes de destaque em arquitetura e projeto podem mostrar suas novas criações, organizadas em diferentes pavilhões, cada qual com diferentes temas.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: www.labiennale.org

Murano

Murano é composta por várias ilhas ligadas por pontes, com uma população de mais de 4.500 habitantes.

A ilha foi independente, com o seu próprio Grande Conselho, como o de Veneza, até ao século XV, quando passou a estar sob o governo de Veneza.

A reputação da ilha como um “centro de fabricação de vidro” começou quando a República de Veneza ordenou que os fabricantes de vidro transferissem as suas fábricas para Murano, em 1291.

Os Vidreiros de Murano detiveram o monopólio do fabrico de vidro de alta qualidade durante séculos, e alguns deles ainda são donos de marcas importantes.

Hoje, para proteger a arte do vidro de Murano original dos mercados estrangeiros, as fábricas têm uma marca registada que certifica os produtos feitos em Murano.

Fontes de texto: www.wikipedia.it
Fontes Fotográficas: Alaskan Dude, Maurice.

Burano

Burano é uma ilha na Lagoa de Veneza, situada na parte mais a norte, a 7 km de distância da ilha principal e a 40 minutos viagem de vaporetto.

Burano é famosa pela Arte da Renda, e há também uma escola que abriu em 1872 e as suas pequenas casas pintadas com cores vivas.

Outras atrações são a Igreja de San Martino, com a torre particular e uma pintura de Giambattista Tiepolo, o Oratório de Santa Bárbara e o Museu-Escola de Renda.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Alasca, o Piasson, luca.fasolo.

Torcello

orcello é uma ilha tranquila no norte da Lagoa de Veneza.

Torcello foi uma das primeiras ilhas da lagoa a ser povoada e, em 1683, tornou-se sede do Bispado por mais de cem anos.

Infelizmente, a partir do século XII, a lagoa em redor da ilha tornou-se gradualmente um pântano, tornando a vida aí impossível. A ilha tem agora uma população de cerca de 20 pessoas O antigo esplendor dos Palazzi de Torcello quase desapareceu e, hoje em dia, a ilha é uma espécie de campo veneziano, cheio de bons restaurantes e boas vistas sobre a lagoa de Veneza.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Gruenemann, Lunamoth

Ilha de San Giorgio

San Giorgio está situada frente à Praça de São Marcos.

A ilha foi originalmente chamada Isola Memmia por causa da família Memmo, que era sua proprietária.

Em 1829 foi construída a principal Igreja consagrada a São Jorge, e em 1982 foi constituído o mosteiro de San Giorgio.

A ilha é agora mais conhecida pela Igreja de San Giorgio Maggiore, desenhada por Palladio em 1566, e é a sede da Fundação Centro de Artes Cini.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Harslight, Lain Simpson, Old Fogey.

Sant’Erasmo

Sant’Erasmo é uma ilha na parte norte da lagoa. É famosa entre toda a população de Veneza pela sua produção de produtos hortícolas.

Fortificações em ruinas, incluindo a chamada Torre Massimiliana, circundam a ilha; foram construídas a partir do século XVI, após a queda da República de Veneza. Por exemplo, os franceses construíram aqui uma fortaleza entre 1811-1814, e em 1843-1844 os austríacos construíram a torre que foi usada pelo exército italiano durante Primeira Guerra Mundial.

Fonte do texto: www.wikipedia.com
Fontes Fotográficas: Ezioman, Groume

De volta ao topo
Reserve on-line
Melhor Tarifa no período
Últimos quartos disponíveis
Estadia mínima
Children age:

 

 

 
As melhores taxas garantidas
pagamento seguro
Reservas abertas 24h / 24
Sem custo adicional
Clientes satisfeitos